Endividado

O diretório local do Partido dos Trabalhadores está com um sério problema na Justiça Eleitoral. Segundo o site do TRE/MG, o partido em Poços possui uma dívida de R$ 146 mil e caso a dívida não seja paga até o prazo para o registro de candidaturas, a legenda pode ser impedida de lançar candidatos na eleição de outubro de 2020.

Segundo comentários de bastidores, a dívida teria sido o estopim do desentendimento entre o ex-prefeito e o novo presidente da legenda, vereador Paulo Tadeu, que só ficou sabendo do problema depois de ser eleito. A culpa pelo atraso nos pagamentos devido pelo partido está sendo creditada ao vice Nizhar que segundo consta, não mora mais na cidade.

A dívida teria sido o motivo principal também do fortalecimento do PSB com a ida de Fernando Posso para a presidência da legenda. A estratégia incluía inclusive o lançamento da candidatura de Eloisio pela legenda e com isso ele ficaria livre da dívida. O problema é que o Tribunal de Justiça, ao recusar apelação contra a condenação do ex-prefeito atrapalhou (pelo menos por enquanto) os seus planos.

 

Inconstitucional

O Congresso Nacional promulgou emenda à Constituição — a de número 100, que prevê a execução obrigatória de emendas das bancadas estaduais no Orçamento da União.Segundo a nova norma, a execução obrigatória dessas emendas seguirá as mesmas regras das individuais, que já são impositivas. As emendas parlamentares são recursos do Orçamento que o Congresso direciona para obras e ações escolhidas pelos deputados e senadores.

Algumas Assembleia, inclusive a de Minas Gerais, baseada na decisão, decidiram adotar o mesmo esquema de orçamento impositivo para pressionar os governadores a pagar as emendas de bancadas. E a moda chegou as Câmaras Municipal, inclusive em Poços de Caldas, onde o presidente, vereador Carlos Roberto liderou proposta de emenda a Lei Orgânica neste sentido.

Atendendo a sugestão do vereador Paulo Tadeu, na segunda-feira foi realizada uma audiência pública para discussão do assunto. A hipótese de ser a proposta inconstitucional porque a emenda à Constituição não cita os municípios acabou prevalecendo e como o vereador Paulo Eustáquio retirou sua assinatura da proposta, a emenda não deve prosperar.

Quem disse que ela se aplica também aos municípios foram os assessores legislativos, que neste caso, tudo indica, cometeram um equívoco. Como a proposta de emenda a Lei Orgânica não deve prosperar, fica o dito pelo não dito.

Ainda bem, porque seria uma aberração tratar de emendas impositivas numa prefeitura que está quebrada e que mal consegue manter a folha de pessoal em dia. Os ex-prefeitos Luiz Antonio Batista e Eloisio Lourenço estiveram presentes na audiência e nenhum dos dois concordou com a proposta dos vereadores. Eloisio disse ainda que os vereadores deveriam estar discutindo a crise fiscal do município e não criando mais despesas.

Os vereadores Antonio Carlos Pereira, Ligia Podestá, Paulo Tadeu e Gustavo Bonafé manifestaram ser contrários à proposta, enquanto que quatro dos vereadores que assinaram o projeto de emenda a Lei Orgânica sequer comparecerem à reunião. Como o vereador Paulo Eustáquio retirou a assinatura, e ela não conta mais com apoio de oito vereadores, número exigido para o projeto ir em frente.

E foi mais uma pisada na bola do presidente Carlos Roberto que no mesmo dia já tinha cometido um equívoco ao marcar para a “calada da tarde” uma sessão extraordinária para votar um projeto de anistia considerado ilegal, inclusive pelos assessores jurídicos que orientam o trabalho do presidente.

Caiu do cavalo nas duas iniciativas e ainda levou um puxão de orelha, transmitido ao vivo pela internet, do vereador Paulo Tadeu pelo atraso no início da sessão extraordinária porque estava aguardando o desenrolar da conversa da bancada da situação que não reuniu votos para aprovar o projeto.

Justificou o atraso dizendo que estava atendendo em seu gabinete um casal, como se o expediente para terceiros fosse mais importante que a sessão legislativa, onde vários vereadores aguardavam o início dos trabalhos.

 

Candidato?

Na entrevista que concedeu ao programa “Poços em Debate”, o empresário Sérgio Krisanski, que já não preside mais o PSD local, disse que não descarta a possibilidade de se candidatar para a chefia do executivo na eleição de 2020. Esta não é a primeira vez que o ex-secretário de Serviços Públicos e Defesa Social manifesta vontade de concorrer a cargo eletivo.

No entanto fez uma ressalva, só seria candidato caso seu amigo Geraldo Thadeu não dispute a eleição para o comando da prefeitura. “Se for, vou trabalhar para ele”, fez questão de deixar claro.

Do mesmo lado

O fato curioso na audiência pública de segunda-feira para analisar a proposta de orçamento impositivo por parte dos vereadores, foi a presença de três ex-prefeitos, Paulo Tadeu, Luiz Antonio Batista e Eloisio Lourenço, defendendo a mesma tese, ou seja, de que a proposta é um equívoco que precisa ser corrigido.

A política local dá sinais de que está mais civilizada e hoje já é possível reunir os ex-prefeitos ao redor de uma mesma mesa para discutir os problemas e os rumos da cidade.

O que falta são iniciativas, principalmente das classes representativas em promover um debate de ideias e sugestões para um projeto de recuperação da cidade que deixou de ser o principal município da região sul-mineira.

Cada um a seu modo, os ex-prefeitos, com a experiência adquirida na passagem pelo cargo, poderiam dar uma contribuição extraordinária para a elaboração de um projeto de governo cujo objetivo seria tirar a cidade do buraco. Só não dá é ´para convidar o prefeito atual porque enquanto estão no exercício do cargo e com a caneta nas mãos, os alcaides (nem todos), se julgam os seres mais inteligentes do planeta. Quando deixam o posto acabam percebendo que fizeram uma porção de bobagens em prejuízo da população.

Seria muito interessante reunir hoje para um debate civilizado sobre o futuro da cidade os ex-prefeitos Luiz Antonio, Paulinho Courominas, Paulo Tadeu, Adnei de Morais, Geraldo Thadeu e Eloisio Lourenço.

 

Nota de Esclarecimento

Na manhã desta segunda-feira, 14 de outubro, compartilhamos com os gestores escolares e equipe da SME, educadores como eu, fazedores da educação na prática, a nossa decisão de deixar, nessa data, o cargo de secretária municipal de Educação.

Desde 2017, temos desenvolvido um trabalho pautado por valores, com ênfase em uma educação democrática e ética, com efetiva participação da comunidade escolar e, sobretudo, norteada pelo caráter científico das ações.

Desde o início da nossa gestão, temos oferecido formação e diagnóstico para que as unidades desenvolvam o Plano de Convivência Ética, com ações intencionais de prevenção da violência. Assim, Poços de Caldas se tornou o primeiro município do país a contar com o Plano de Convivência Ética nas escolas como política pública de educação porque sabemos que o desempenho do aluno e do professor está intimamente ligado à qualidade das relações que são estabelecidas no ambiente escolar.

Acreditamos que o ato de educar é muito mais amplo que a prática de ensinar e só acontece em um ambiente que propicie a reflexão, a discussão e o debate de ideias, fundamentais para a formação de estudantes autônomos, capazes também de fazer escolhas baseadas em princípios, especialmente os de justiça e solidariedade. Neste sentido, também as nossas escolhas estão vinculadas aos valores e princípios que regem a nossa vida.

Na última sexta-feira, o prefeito Sérgio Azevedo manifestou a adesão do município de Poços de Caldas ao programa de escola cívico-militar proposto pelo Governo Federal. A educação pública democrática que defendemos desde o início do nosso trabalho frente à SME não dialoga com esse tipo de programa e, desta forma, comunicamos nosso desligamento da pasta.

Seguimos na luta diária por uma educação pública de qualidade, feita por educadores, pesquisadores, estudiosos e conhecedores da realidade da educação brasileira.  Aproveitamos para agradecer ao prefeito Sérgio Azevedo e ao vice-prefeito Flávio Faria pela oportunidade única vivenciada intensamente nesses dois anos e dez meses.

Agradecemos especialmente a todos os servidores públicos de nossa equipe, educadores e equipe de todas as unidades educacionais da rede municipal, aos nossos alunos, familiares, comunidade escolar e parceiros que compartilharam conosco o sonho de uma educação ética e democrática.

Cumprimentos mineiros,

Professora Flávia Maria de Campos Vivaldi

 

Audiência pública

Mesmo depois de aprovada a Moção em apoio para implantação da escola cívico/militar em Poços de Caldas e até do pedido de exoneração da Secretaria de Educação, o assunto continua em pauta no Legislativo. Na sessão de terça-feira foi lido e aprovado, por 13 votos, o requerimento de autoria da Associação Cultura e Cidadania de Poços de Caldas solicitando o uso do plenário para a realização de uma audiência tendo como tema a implantação de escola cívico/militar na cidade. Há ainda outro pedido igual de audiência pública feita pelo vereador Pedro Magalhães, o mesmo que apresentou a moção.

Líder pede cautela

O vereador Antonio Carlos Pereira se manifestou afirmando que a audiência deveria ter sido proposta antes da aprovação da moção. Segundo ele, não tem a certeza que esta escola será instalada na cidade, uma vez que são apenas duas para o estado de Minas Gerais. Pereira sugeriu ao presidente da Câmara cautela na realização da audiência e fez um apelo de bom senso porque avalia que a Câmara pode estar abrindo espaço para “uma guerra na plateia” devido a radicalização dos lados favoráveis e contrários ao assunto. O presidente lembrou que a audiência dificilmente deve ocorrer este ano, porque a agenda está lotada, mesmo assim deve acontecer já que foi aprovada pela Câmara.

 

Carlão fora do PT

O Partido dos Trabalhadores (PT), confirmou ontem a desfiliação do primeiro suplente de vereador Antonio Carlos Batista, o “Carlão da Capoeira”. A expulsão do petista foi motivada pela sua posição contrária a instalação de uma Comissão Especial de Inquérito proposta pela vereadora Maria Cecilia Opipari (Ciça).

Como se sabe, o suplente foi convocado a assumir o lugar da vereadora que por ser a autora do pedido estava impedida de votar, só que na hora em que a matéria foi a plenário para apreciação dos vereadores ele acabou votando contra a CEI, desrespeitando com isso o estatuto do partido.

 

A BandFM no lugar da Transamérica Hits

Desde a última segunda-feira, a Band FM, emissora do Grupo Cioffi de Comunicação, está ocupando uma frequência que abrigava a Transamérica Hits. Na grade de programação “Manhã Show” tem em seu conteúdo música, prêmios e entretenimento e será comandado pela dupla Paulo Marcelo e Luciana Abreu.

Já o período vespertino a emissora apresenta o “É D+” (14h às 15h), atração voltada ao público feminino, seguido das 15h às 17h pelo “Tarde da Band”, com a participação da audiência e notícias ligadas ao mundo dos famosos. A radialista Amanda Negrini é quem comandará a grade local nas tardes da emissora, com a supervisão do diretor do grupo, Leonardo Cioffi.

 

Rodapé

Quem assistia ontem pela internet a sessão da Câmara durante as falas na tribuna, viu o vereador Pedro Magalhães deixar o plenário antes da sua fala e depois voltar, dizendo “fui dar uma mijada”.

Secretária pede demissão

Como era esperado, a secretária de Educação, Flávia Vivaldi, solicitou ontem exoneração do cargo depois de uma reunião com diretoras de escolas e coordenadoras de creches, a quem explicou o motivo pelo qual estava deixando o cargo, junto com algumas pessoas da sua equipe, entre elas o diretor do Conservatório Musical.

No final da tarde Flávia distribuiu nota explicando a sua não concordância com o prefeito Sérgio Azevedo que em nome do município aderiu ao Programa Nacional de Escolas Civico-militares. Aproveitou para agradecer ao prefeito e ao vice a oportunidade de ter participado do governo, mas disse que a atitude do chefe do executivo vai contra o projeto de ensino que desenvolveu enquanto esteve à frente da secretaria.

 

Na muda

Durante todo o episódio que provocou turbulência no governo e culminou com a demissão da secretária de educação, indicada pelo grupo da Rede, o vice-prefeito Flávio Faria, líder maior do partido se manteve calado, sem fazer nenhum pronunciamento sobre o fato que culminou com a saída da secretária.

Nos bastidores, a informação é que o episódio distancia ainda mais a Rede do comando da administração, não estando descartado um desembarque do partido da administração até o início do próximo ano.

 

Projeto ilegal é retirado de pauta

A sessão extraordinária agendada pelo presidente da Câmara para a tarde de ontem, atendendo a solicitação do vereador Ricardo Sabino para apreciação de um projeto de prorrogação de anistia para proceder a regularização do uso, desmembramentos e edificações acabou sem que o projeto de autoria do executivo fosse a votação.

A sessão foi iniciada com grande atraso porque nos bastidores os vereadores da base tentavam conseguir o número de vereadores suficientes para aprovação do projeto. Estavam ausentes Gustavo Bonafé e Ricardo Sabino, do PSDB, Lucas Arruda do Rede e Ciça, do PT.

Na avaliação dos vereadores da base do prefeito, se o projeto fosse a plenário, seria derrotado por 8×7 e ao ser informado sobre a situação, o secretário de governo Celso Donato se apressou em se dirigir até a Câmara levando em mãos e entregando ao presidente ofício assinado pelo prefeito Sérgio Azevedo solicitando a retirada do projeto de pauta.

O atraso no início da sessão acabou originando um bate boca entre o vereador Paulo Tadeu e o presidente Carlos Roberto. O vereador considerou desrespeitosa a atitude do presidente em atrasar a reunião porque estaria aguardando o término de reunião dos vereadores da situação para debater a falta de quórum para aprovação da matéria.

O episodio foi classificado como positivo pelo fato de o projeto de lei conter irregularidades apontadas em pareceres exarados pelas assessorias do legislativo e pelo IBAM. Por outro lado, sua retirada foi classificada como mais falha da articulação politica da administração com o legislativo.

 

Sessão tumultuada

A sessão foi tumultuada, demorada e acompanhada por uma pequena plateia formada em sua maioria por engenheiros e empreiteiros. Apareceram por lá o secretário da Fazenda, Alexandre Lino, o secretário de Planejamento, Tiago Cavelagna e até o ex-prefeito Eloísio Lourenço, que chegou quando a sessão tinha acabado, mas com o objetivo de participar de uma audiência pública que iria ocorrer na Câmara em seguida.

Antes da votação, esteve reunida no plenário a Comissão de Finanças para votar o parecer em separado do vereador Paulo Eustáquio, contrário a proposta, e em seguida foi anunciada a reunião da Comissão de Administração, que não teve quórum para se manifestar.

Atraso

Houve um intervalo e o presidente da Câmara, Carlos Roberto, só então deixou sua sala, onde estava reunido com a bancada da situação. Seguindo o regimento foi aberta a sessão e colocados em votação vários pedidos de informações, enquanto que na ante sala Donato conversava com os vereadores Pastor Wilson Rodrigues e Marcelo Heitor. Foi votado que não haveria intervalo, mas com o impasse da bancada não querer retirar o projeto de votação, o líder do prefeito Antonio Carlos pediu 10 minutos de suspensão da sessão para que a questão fosse discutida com Donato. Na volta foi manifestado que o projeto seria retirado.

 

Vereador da base repudia retirada

Antes de a sessão ser encerrada, o vereador Paulo Tadeu manifestou com indignação a demora do presidente em dar início aos trabalhos, tendo o mesmo alegado que só estava aguardando as reuniões das comissões. Pedro Magalhães repudiou a retirada do projeto pelo Executivo, afirmando que se sentia desrespeitado e desprestigiado e que seus companheiros tinham externado o mesmo sentimento.

“É um desrespeito com a população que está nesta Casa aguardando para saber o desfecho da votação”, lamentou. Lembrou que os vereadores se empenharam nas comissões,travaram debates e considerou uma atitude desrespeitosa do Executivo para com os vereadores.

 

Secretário diz que vai reenviar o projeto

O secretário de Governo, Celso Donato, explicou que o próximo passo é o reenvio do projeto pela Câmara ao Executivo. De acordo com ele, a tramitação na Câmara foi rápida e demorou cerca de duas semanas para ser analisada pelas comissões e ser colocada em votação. Informou que provavelmente a minuta deva ser a mesma a retornar a Câmara, mas deve demorar um pouco mais, porque tem que seguir os trâmites legais e deve passar novamente para as comissões do Legislativo.

Donato informou que nesta terça-feira encerra, pela lei antiga, o prazo para protocolos de pessoas em busca da anistia e que após isto nenhum outro pedido pode dar entrada, até que se abra uma nova janela com a votação da lei pela Câmara. Explicou que os pedidos que derem entrada até hoje seguem os trâmites normais.

 

Reforço de caixa

A Secretaria de Administração realiza nesta terça-feira, às 12h30m no Departamento de Suprimentos, o pregão para a contratação de instituição financeira pública ou privada com agencia na cidade para a prestação de serviços bancários, com exclusividade.

Os serviços compreendem pagamentos dos servidores municipais ativos e inativos, pensionistas ou qualquer pessoa que mantenha ou venha a manter vínculo de remuneração com a Prefeitura, através da administração direta ou indireta, casos do Jardim Botânico e Autarquia Municipal de Ensino.

A previsão é de que o pregão possa render aos cofres da prefeitura uma soma próxima de R$ 8 milhões, um reforço de caixa que vai garantir o pagamento dos servidores em diaeste mês.

Preocupação no ninho

A escolha do coronel Frederico para concorrer ao comando da prefeitura gerou uma certa preocupação no ninho tucano. A candidatura do oficial da reserva conta com apoio de lideranças maçônicas ligadas ao governador Romeu Zema que, tudo indica, deve abrir o peito pedindo votos para o candidato do seu partido.

E como todos sabem, o apoio do governo pesa e influencia o eleitorado que enxerga nesta proximidade a possibilidade de o futuro prefeito ser tratado com mais atenção não só pelo governador, mas também pelos integrantes da sua equipe.

Uma mostra disso está no fato de Romeu Zema até agora não ter visitado a cidade e o prefeito, embora tenha tentado, ainda não conseguiu ser recebido em audiência. Sem falar no fato de que o atual secretário de governo, deputado Bilac Pinto, quer distância do ex-deputado Carlos Mosconi e do seu grupo.

Na avaliação de alguns observadores da cena política, o PT deve lançar um candidato que durante a campanha, principalmente nos debates, jogará pesado contra o prefeito Sérgio tentando desconstruir a sua imagem. Com certeza o prefeito vai revidar e nesse enfrentamento, assim como ocorreu nas duas últimas eleições, a terceira via, no caso o candidato do Novo, acaba sendo adotado pelos eleitores.

 

Ampliação da ETA-5

A empresa MPB Engenharia Ltda. foi a contratada pelo Departamento Municipal de Agua e Esgoto (DMAE) para elaborar os projetos executivos para a ampliação da Estação de Tratamento de Água (ETA-5), da nova captação elevatória e adutora de água bruta. O prazo para entrega dos projetos será de 12 meses e vai custar aos cofres da autarquia R$ 993 mil.

 

Médico do trabalho

A população está reivindicando a contratação, pela prefeitura de médicos para atuarem em medicina do trabalho. Está sendo lembrado que o Centro de Referência em Saúde do Trabalhador não consegue manter médicos que atuem nesta área, porque ali são necessários profissionais formados em medicina do trabalho e especialistas nesta área estão trabalhando para as empresas do município.

Consta que seriam necessários três médicos e um técnico de raio x para atenderem a demanda e fecharem os diagnósticos de doenças relacionadas ao trabalho. Em 2010 uma equipe de médicos foi a BH para se especializar em diagnósticos de saúde do trabalhador, mas esta equipe durou pouco tempo no centro. Existem suspeitas de trabalhadores estarem contaminados por produtos químicos que não passaram por exames paracomprovar um resultado definitivo.

 

Bom de coração

Aproveitando a sugestão do vereador Marcelo Heitor, que apresentou proposta ao chefe do executivo para que os cortes de águia não sejam feitos em vésperas de final de semana e feriados, o diretor do Departamento Municipal de Água e Esgoto, Paulinho Courominas, decidiu ampliar a sugestão e determinou que a partir de agora que os cortes ocorram apenas de segunda a quarta-feira.

E mais, reduziu o valor das multas e da taxa de religação e ainda determinou que, após pagar as contas, como a religação demora em média três dias, o consumidor, mediante assinatura de termo de compromisso, possa, ele mesmo, quebrar os lacres e normalizar o abastecimento.

Sem dúvida, medidas corretas, próprias de quem acompanha o sofrimento daqueles com menor poder aquisitivo que fazem o maior esforço para manter suas contas em dia.

Em busca de uma saída

A posição tomada pela Secretária de Educação, Flávia Vivaldi, encostando o prefeito Sérgio Azevedo na parede para obriga-lo a tomar uma decisão contrária ao Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares acabou resultando em uma situação constrangedora para o chefe do executivo, e demonstrou também que embora ocupe um cargo de confiança (como o próprio nome diz) a secretária não comunga do mesmo pensamento ideológico do chefe e discorda da sua forma de governar.

Além de incentivar as diretoras das escolas a se manifestar publicamente para aumentar a pressão sobre a decisão que seria tomada pelo prefeito, a secretária demonstrou insubordinação uma vez que o mais lógico seria manter diálogo com o prefeito para tentar convencê-lo de que a adesão ao programa não seria interessante para a cidade e principalmente para a área de educação.

Ao declarar que se o prefeito aderisse ao programa pediria demissão do cargo, a secretária criou uma situação onde sua única saída gora será mesmo um pedido de exoneração uma vez que não reúne mais condição de permanecer á frente de uma das mais importantes secretarias do governo.

Segundo informação de algumas diretoras de escola, elas estão sendo convocadas para uma reunião nesta segunda-feira e embora a mensagem não esclareça qual será o tema a ser tratado na reunião, a lógica indica que a secretária deve colocar o assunto em pauta. Sua permanência na secretaria com certeza será principal alvo da reunião. Se conseguir apoio da maioria para permanecer à frente da secretaria, talvez não peça exoneração. Caso contrário deixará a secretaria.

Ou numa terceira hipótese, pode até receber a solidariedade das diretoras e mesmo assim deixar a secretaria, o que convenhamos, seria o mais lógico após o clima de confronto criado por ela mesmo com aquele a quem deve obediência por tê-la nomeado para o cargo de confiança.

Caso a secretária deixe o cargo seria bom que o prefeito na escolha de quem vai substituí-la faça a opção por um nome que possa apaziguar o setor, priorizando a melhoria do ensino sem querer impor ideologia ou alinhamento partidário.

 

Vereadores tentam aprovar projeto ilegal

Convocada pelo presidente, vereador Carlos Roberto, a Câmara Municipal realiza nesta segunda-feira uma sessão extraordinária para votar projeto que altera dispositivos da Lei Complementar n. 197, de 20 deoutubro de 2018, que autoriza a Prefeitura a proceder aregularização do uso, desmembramentos e edificações e dá outras providências.

A matéria já provocou debates entre os vereadores quando da sua inclusão no expediente da sessão ordinária realizada no último dia 8 por causa de uma mensagem do executivo que solicitava regime de urgência na sua apreciação. A mensagem acabou sendo rejeitada o que levou o presidente da Casa a convocar uma sessão extra para hoje.

O projeto que altera a referida lei recebeu pareceres contrários das assessorias técnica e legislativa e também do IBAM. Mesmo assim por pressão do executivo ela permaneceu na Câmara e deve ser submetida a votação no dia de hoje. Segundo informações que chegaram ao blog, mesmo com os pareceres contrários o projeto deve receber os votos da maioria e com isso ser aprovado. Se acontecer os vereadores de oposição prometem recorrer ao Ministério Público, baseados na análise das assessorias e do IBAM.

Fica difícil entender a posição do presidente e dos vereadores que estão dispostos a votar favorável ao projeto. Se a assessoria jurídica da Câmara a quem cabe a tarefa de orientar os vereadores sobre ilegalidades em projetos, assim como os especialistas em legislação do Instituto Brasileira de Assistência aos Municípios exararam pareceres contrários a matéria por se tratar de um projeto que fere normas legais, porque a insistência na aprovação?

Ainda segundo informações de bastidores, os vereadores que aprovaram a moção endereçada ao prefeito para que recusasse a adesão ao programa das escolas cívico-militares, devem votar favoravelmente ao projeto de anistia, numa espécie de “retribuição” a posição adotada pelo chefe do executivo.

Estranho também é o fato de o presidente do legislativo ter convocado uma sessão extra, em plena segunda-feira à tarde para votação da proposta, quando amanhã, terça, haverá reunião ordinária. A assessoria de imprensa do legislativo também não distribuiu release anunciando a sessão extra.

 

Os coronéis

O Partido Novo está anunciando a inscrição do Coronel Frederico de Lima, do Quadro de Oficiais de Reserva da PM (QOF), como provável candidato da legenda a prefeito. Se vier a ser eleito, Frederico será o primeiro coronel de fato a assumir o comando do executivo poços-caldense, por onde já passaram alguns “coronéis” da política, entre os quais os mais recentes, Ronaldo Junqueira e Sebastião Navarro, apelido que ganharam pela forma ditatorial com que administravam a cidade e tratavam seus adversários.

Fora os “coronéis”, a cidade já foi governada também por oficiais que foram para reserva no posto de major, entre eles, Sylvio de Oliveira (1918), Luis Augusto Loyolla (1909) e Eduardo Pio Westin (1907). Segundo a historiadora Nilza Megale tivemos ainda com a patente de major Felisberto d´Horta (1908/1909). Na patente de capitão João Affonso Junqueira (1924).

Ronaldo Junqueira e Sebastião Navarro eram oficiais da reserva do Exército, o primeiro fez o CPOR e o segundo o NPOR, em Campinas.

Poços no mapa

Falando no Novo, Poços de Caldas já aparece no mapa do partido, como uma das cidades com menos de 300 mil habitantes que lançarão candidatos na próxima eleição municipal. Com o diretório formado, o partido deve inscrever candidaturas para a disputa de cargos majoritários e chapa completa para os cargos proporcionais.

Sobre a nota publicada no blog informando que a ex-vereadora RaulinaAdissi estaria interessada em disputar a vice-prefeitura numa provável chapa liderada pelo Coronel Frederico, a empresária Gina, da Pizza da Roça, uma das lideranças do Novo informa que a ex-vereadora nunca manifestou vontade de figurar como vice, apesar de estar exercendo papel importante no partido, com a vasta experiência que possui na vida pública.

Mas Gina adianta que a tendência no partido é mesmo de lançar uma mulher na vice. Perguntada se estaria disposta a aceitar a indicação, ela respondeu que existem conversas informais, mas ainda faltam algum tempo para a definição.

 

“Ciça” pode ser a opção

Pelos lados do Partido dos Trabalhadores já se ouve um ruído em torno do nome da vereadora Maria Cecilia Opípari (Ciça), como uma das opções parta a disputa da prefeitura. Com a provável desistência de Eloisio Lourenço, por causa de sua condenação em segunda instância, a vereadora passou a ser vista como uma das opções, não só do PT, mas também do PSB que neste caso admite a possibilidade de apoiar a candidatura da vereadora.

 

Guerra virtual

Ainda estamos longe da eleição, no entanto, a julgar por algumas postagens em grupos fechados, já é possível prever que durante a campanha, a internet será uma das principais ferramentas para divulgare também para tentar destruir candidaturas adversárias.

Bastou o Partido Novo divulgar a provável candidatura do coronel Frederico e seu nome já está sendo lembrado de forma negativa em alguns grupos de whattsapp, numa indicação de que na campanha a guerra virtual será uma realidade.

 

Primeira opção

Pelos lados da casa amarela, aumentaram nos últimos dias as conversas e articulações políticas com vistas a eleição de 2020, sendo dada como certa a participação do prefeito Sérgio no páreo, tentando um segundo mandato. Ao que parece, o engenheiro de carreira gostou da política e se depender da sua vontade, permanece como principal inquilino da casa amarela por mais quatro anos.

Quanto a vice, pelo fato de apresentar um peso político maior que a Rede, os Democratas devem mesmo ficar com a vice. O episódio da escola cívico-militar foi uma mostra de que entre um e outro, o prefeito prefere o DEM que na avaliação do presidente do PSDB, agrega mais votos ao candidato.

Poços ficou fora

Poços de Caldas ficou de fora das cidades escolhidas para sediar a Discussão Participativa do Plano Plurianual de Ação Governamental referente ao período de 2020 a 2023, promovida pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Este ano as cidades que receberão audiências públicas são: Montes Claros, no Norte de Minas, no dia 21 de outubro; Varginha, no Sul no próximo dia 23 e Araçuaí, no Vale do Jequitinhonha no dia 4 de novembro.

Na capital, as atividades serão realizadas entre os dias 24 de outubro e 05 de novembro. O Plano Plurianual é voltado para o planejamento de médio prazo do Estado, com os programas e ações que serão priorizados num período de quatro anos.

 

Já vai tarde

Ontem o presidente do Vulcão, Paulo César Silva, disse que o time poderá se mudar para outra cidade e deixar a palavra Futebol Clube Poços de Caldas fora do nome, ficando apenas com Vulcão. Contou que a possibilidade que isto aconteça é de cerca de 100% e deve ser anunciada nos próximos dias. O motivo é a falta de apoio com patrocinadores e a proposta irrecusável para mudança de sede.

 

“Nenhuma Mulher a Menos”

 

A vereadora Maria Cecília Opipari, Ciça, é uma das organizadoras da caminhada “Nenhuma Mulher a Menos” que acontece na quinta-feira, com concentração e saída do Terminal de Linhas Urbanas, às 18 horas, passando pelas ruas centrais da cidade. Na convocação as mulheres são chamadas a levar cartazes, velas e flores e a dizer palavras de ordem contra a agressão, violência e morte. A motivação do protesto se deu depois da morte da poçoscaldense, a artista plástica Alessandra Vaz, e de todas as mulheres vítimas de feminicídio.

 

Rodapé

O programa “Poços em Debate” entrevista nesta segunda-feira o empresário e ex-secretário municipal, Sérgio Krisanski. A partir das 20 horas, ao vivo, assista e participe.

Prevaleceu o bom senso

No início da noite de ontem, o prefeito municipal Sérgio Azevedo, numa decisão onde prevaleceu o bom senso, publicou nas redes sociais um comunicado informando a decisão favorável à proposta de adesão ao modelo de Escolas Cívico-Militares.

Segundo o Chefe do Executivo, a decisão foi tomada após ouvir a Secretaria Municipal de Educação, funcionários, professores, diretoras, Conselho Municipal de Educação, sindicatos e entidades representativas, que se manifestaram por escrito,

“Entendo que, como Prefeito, não seria justo privar uma parte da população da opção de escolher matricular seus filhos em uma escola deste modelo, mesmo porque ninguém seria obrigado a ter seus filhos nesta escola”, diz o prefeito no comunicado, encerrando uma polêmica que durou pelo menos uma semana com o prazo final para a adesão ao programa se encerrando ontem, dia 11.

 

Secretária fez pressão

Numa atitude totalmente intempestiva e contrária ao comportamento de quem ocupa cargo de confiança no governo, a secretária de Educação, Flávia Vivaldi, liderou a pressão sobre o prefeito para que se recusasse a aderir ao programa das escolas cívico-militares. Segundo informações vazadas do próprio gabinete do chefe do executivo, Flávia chegou até a ameaçar pedir demissão do cargo caso a decisão do prefeito fosse contrária ao seu posicionamento e com auxilio de servidores comandou um movimento nas escolas contra a adesão do município ao programa.

Antes de tomar a decisão favorável a escola cívico-militar, o prefeito Sérgio Azevedo se reuniu com o vice, Flávio Faria, líder maior do grupo da Rede para informar a atitude que havia tomado. A secretária de administração é filiada ao Rede e foi indicada para o cargo pelo partido.

Quanto ao vice-prefeito, sua posição na disputa é desconhecida porque ele não se pronunciou publicamente sobre o tema. No entanto, segundo informações, ao seu estilo, trabalhou nos bastidores contrário a implantação da nova escola.

Na Câmara Municipal, a bancada da situação também se dividiu durante votação de uma moção de apoio a escola cívico-militar e até o líder da bancada do prefeito votou contra a proposta,

 

Partido Novo começa a definir seus candidatos

Cumprindo a determinação da direção nacional, o Partido Novo, diretório de Poços de Caldas, deu início a inscrição dos candidatos que estarão concorrendo a cargos eletivos na eleição municipal de 2020. A partir disso os nomes selecionados devem enfrentar um processo seletivo. As inscrições se encerram na próxima segunda-feira, dia 15.

O nome do Coronel QOR, Frederico Antonio de Lima foi inscrito para disputa do comando do executivo, enquanto que a ex-vereadora RaulinaAdissi teve seu nome inscrito para a vice. No entanto, para passar na avaliação e ser escolhido como possível pré-candidato, o postulante precisa cumprir alguns requisitos.

A participação no processo não é garantia de aprovação da candidatura. Esse processo seletivo vai avaliar se a pessoa que quer ser pré-candidato pelo Novo está alinhada com as ideias do partido, seus princípios e valores.

Por enquanto, a seleção ocorre apenas para escolhas ao cargo de prefeito e vice, mas há previsão de abertura do processo também para o cargo de vereador. Entre os pré-requisitos para participar do processo seletivo, o partido elenca o atendimento às regras previstas da Lei da Ficha Limpa e experiência mínima de oito anos em posições relevantes em cargos de gestão no setor público ou privado, com elevadas práticas de governança. Os candidatos também deverão possuir competências comportamentais, como liderança, capacidade de comunicação, espírito empreendedor, aptidão para trabalhar em equipe e raciocínio analítico e estratégico.

Segundo informações, a escolha dos candidatos aos cargos majoritários irá ocorrer durante o mês de outubro, enquanto que a chapa completa para candidatos a vereador será fechada em janeiro. Até o momento 14 nomes estão inscritos para concorrer as 15 vagas na Câmara Municipal.

 

O PSC também se movimenta

Pelos lados do PSC, – Partido Social Cristão – o presidente da legenda, Wanderlei Monteiro informa que o partido estará presente na eleição de 2020 com chapa completa para vereador. Esta semana, em companhia dos vereadores Marcelo Heitor e Carlos Roberto, o presidente se reuniu em Belo Horizonte com o deputado estadual do partido, Noraldino Júnior, com quem analisaram a eleição no município, tendo o deputado prometido todo apoio para que o partido participe com candidatos tanto na disputa para a Câmara e Prefeitura.

Wanderlei Monteiro adianta que a chapa para a vereança já está com 99% dos candidatos escolhidos e a legenda vai para a eleição com chapa completa, ou seja, com 23 candidatos.

No que diz desrespeito a candidaturas majoritárias, o presidente adiantou ao blog que o partido também deve participar da disputa, e que já existem vários nomes sendo analisados para serem lançados como candidatos a prefeito e vice.

No PTB reunião dos cabeças brancas

Já pelos lados do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), a situação não é diferente. Na última quarta-feira lideranças tradicionais do partido, os chamados cabeças brancas se reuniram para tratar da eleição do próximo ano. Uma coisa que ficou decidida é que o partido vai lançar chapa para disputa de vagas na Câmara Municipal, enquanto que para a eleição majoritária ainda não existe consenso se a legenda deve ou não concorrer com candidaturas próprias.

 

Não é bem assim…

A respeito da nota publicada ontem sobre o fato de o grupo da Rede ter garantia do PSDB de que continuará com a vice, caso o prefeito Sérgio dispute a reeleição, o presidente do DEM, Tiago Cavelagna, respondeu que não é bem assim e que os Democratas serão cabeça de chapa caso o prefeito desista da reeleição e no caso de Sérgio manter a candidatura o DEM indicará o vice.

Na última quinta-feira o prefeito mais o secretário de governo e presidente do PSDB, celso Donato, se reuniram no gabinete com o líder da situação na Câmara, Antonio Carlos Pereira, a quem foi oferecida a vice na chapa encabeçada pelo prefeito. Pereira disse que prefere abrir mão e indicou para a vice o presidente do DEM, TiagoCavelagna.

Segundo Tiago, o partido vem se fortalecendo, ganhando novos filiados, alguns com boa chance de conquistar vagas no legislativo. O objetivo da legenda é eleger, no mínimo, quatro vereadores para a próxima legislatura.

 

Saúde em dia

O ex-prefeito Luiz Antonio Batista foi visto ontem saindo de um centro de diagnóstico. Perguntado sobre o que foi fazer, respondeu que foi apenas um exame de rotina de ultrassom toráxica e de próstata. Disse que está tudo ótimo.

Mas há quem diga que o ex-prefeito está fazendo uma série de exames para saber se a saúde está em dia para quem sabe enfrentar mais uma campanha eleitoral no próximo ano como candidato ao executivo.

Fechar Menu