Na hora “h”

A iniciativa dos proprietários das papelarias credenciadas para distribuir os kits escolares foi tomada na hora certa porque assessores do prefeito Sérgio Azevedo já haviam sugerido a ele uma saída mais radical, que seria a compra direta, através de licitação, de todos os componentes dos kits que seriam levados diretamente para as unidades de ensino para ser entregue aos alunos pelas próprias professoras.

Existia no governo quem estivesse defendendo até a própria inconstitucionalidade da lei que permite a compra direta pelas papelarias e posterior distribuição do material, através de um simples credenciamento junto a prefeitura.

O advogado representante das lojas procurou o prefeito na hora “h” para comunicar que seus clientes aceitavam a proposta de receber o material no prazo máximo de um ano. Ufa!!!

No entanto, isso não significa que as coisas não possam mudar no próximo ano.

Fechar Menu