AZER ELIAS ZENUN JUNQUEIRA

Santa Casa consegue equilibrar as contas

Com a nova direção, a Santa Casa de Poços de Caldas conseguiu equilibrar suas contas.  Em 2018 a entidade teve um grande ganho com a entrada da Comissão Paritária, formada por quatro membros indicados pela Prefeitura e outros quatro pela irmandade. A esta comissão foram acrescentados ainda dois integrantes da área médica, com o objetivo de abalizar as atividades assistenciais realizadas pelo hospital. O trabalho da comissão foi iniciado em 24 de janeiro, quando passaram a ser verificados os documentos e a situação legal do hospital.

Em 5 de março, Azer Elias Zenun Junqueira foi convidado a assumir a superintendência. Com o objetivo de melhorar a assistência do hospital ampliou os convênios com a Unimed e Climepe e abriu as portas para todos os convênios. Isto passou a gerar mais recursos para a Santa Casa.

O déficit quando Azer assumiu girava em torno de R$ 1,8 milhão, porém, com o aumento das receitas e algumas modificações estruturais promovidas, caiu para R$ 600 mil . Para cobrir o déficit restante, a prefeitura se comprometeu em pagar o extrapolamento, que é o custo além do que é pactuado com Sistema Único de Saúde (SUS).

A partir disso foi feito o pagamento atrasado dos médicos, sendo que em 31 de agosto foi paga a última parcela. “Foi pago todo o atrasado e o salário normal do mês. O faturamento normal do hospital é apresentado ao Ministério da Saúde, que 45 dias após repassa os recursos para a Secretaria de Saúde, que o repassa para o hospital “, informou o superintendente.

Após isto, foi iniciado, junto com a Secretaria Municipal de Saúde, o trabalho com os fornecedores. Foram renegociadas as dívidas Algumas, de menores valores, já foram quitadas, enquanto que as maiores foram divididas em 10 parcelas. “Conseguimos um deságio e isto está sendo pago. Se não houver nenhuma falha, nenhuma dificuldade financeira diante do cronograma, em maio de 2019, serão quitadas as dívidas com os fornecedores”, garantiu Azer.

 A dívida de 7 milhões que o hospital tinha com o Bradesco foi renegociada com juros mais baixos, caindo de 1,70% para 1.03%, sendo que o valor mensal que era de R$ 300 mil vai, a partir de janeiro, para R$ 214 mil. Este pagamento sairá direto do faturamento do hospital para o banco . Com a renegociação sobrou R$ 1 milhão que o hospital vai utilizar para efetuar o pagamento da primeira parcela décimo terceiro salário dos funcionários.

Em termos de melhorias foram feitas algumas reformas e foi retomada a obra da UTI neonatal, que por uma questão de erros anteriores estava parada há 18 meses. “Estamos negociando a prorrogação do convênio junto ao Estado para que libere R$ 1,5 milhão, que serão repassados para a UTI neonatal. Com a obra a UTI neonatal, que hoje tem 8 leitos, passará a contar com 16.  Após a sua transferência para o novo espaço, onde ela está agora passará por uma reforma e passaremos de 10 para 20 leitos a UTI adultos. Trata-se de um ganho assistencial e de mais garantia para pacientes de Poços e região”, garantiu o superintendente Azer.

Também será solicitado o credenciamento para o aumento dos leitos para que o hospital possa receber recursos para a prestação dos serviços médico, ambulatoriais e de enfermagem.

Com relação a urgência e emergência foi solicitado projeto para que uma arquiteta possa avaliar de que forma o hospital pode resolver a questão. Hoje 8 leitos são utilizados como UTI, mas o hospital não recebe como UTI. Há um convênio com a prefeitura, que repassa R$ 430 mil mensais e o governo federal outros R$ 300 mil para o custeio do serviço de pronto atendimento.  “A obrigação é do Estado, mas a Prefeitura tem bancado para que não fechássemos as portas , porque a Santa Casa estava entrando em um caos , porque os médicos já não recebiam , não queriam atender e foram reduzindo e atendendo só urgência, emergência e um pouco do que estava pactuado. Conseguimos reverter todo este quadro”, assegurou o superintendente.

Além disso, aos moldes dos hospitais de Barretos, de São Paulo e de Jaú, foi iniciada a captura de recursos. Foi contratado um profissional especializado para realizar este trabalho e o hospital lançou um novo site onde as pessoas podem fazer as doações. Foi retomada ainda a campanha de doação através da conta de energia elétrica. “Toda doação, independente do valor,  é bem vinda”, defendeu Azer.

“O hospital não é meu, não é seu, não é dos médicos, é patrimônio do povo de Poços e região. O hospital foi inaugurado em 1905 e não vamos encontrar ninguém que não tenha precisado do hospital, seja para si próprio ou para seus familiares atuais ou antepassados.  Temos ainda colaboradores que nos ajudam muito. Costuma se dizer que a Santa Casa é um saco sem fundo, mas hoje posso dizer sem medo que é um saco sem fundo de amor”, concluiu o superintendente Azer.

Fechar Menu